quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Carteiro que que passou à reforma

Leafar era um o carteiro, que estava prestes para se aposentar e aquele era seu
 último dia de trabalho na distribuição de cartas, onde ele tantos anos trabalhou..
 De manhã, ao iniciar seu roteiro pela última vez, ele aproximou-se da primeira 
casa,e foi cumprimentado alguns casais, os quais lhe davam às vezes  boas
prendas e até monetárias pela época natalícia e pela Pascoa..
. Na casa seguinte, os moradores lhe deram um conjunto de equipamento para
 pescaria,e na terceira casa, ele deram-lhe  uma caixa com finos charutos.
 Porém, na casa seguinte, ele foi recebido pela Dona Lili,uma quarentona uma 
loira sexy vestindo uma diminuta negligée. Sem lhe dizer  palavra, ela fez sinal
 para ele que entrasse na casa.
Gentilmente, ela levou-o para o quarto de dormir onde negócio correu bem para 
os dois, ela mostrou-se uma verdeira andrófila e ninfomaníaca!
 A seguir, ela levou-o até a cozinha, onde lhe preparou um saboroso lanche com
 suco,frutas, torradas, ovos, cereal, queijo, presunto, pães, bolos e café.
o Carteiro Leafar estava realmente satisfeito. 
Ao inclinar-se para servir-se de mais uma chave de café, ele notou uma nota de
 10 euros debaixo da chávena.
 Curioso, ele perguntou à loira: "Tudo isto é maravilhoso e eu apreciei-a  muito... 
gostaria de repetir  esta  sessão de clinoterapia, mas...para que são estes
10 euros?"
 "Oh", diz Dona Lili, "é que eu perguntei ao meu marido ontem o que nós 
deveríamos dar a você  por passar à reforma. Ele respondeu, 'F.de o carteiro! 
E dá só 10 euros '"!
 E sorrindo, orgulhosa, completou: "A parte do lanche foi ideia minha!"


Corno perspiicaz

Marcos  chega em casa e surpreende a sua
 cara-metade na sua cama com outro homem.
Foi buscar o revólver, tomando cuidado par
não ser  percebido pelos dois, armou o gatilho 
e já se ia  preparando para os matar, quando
parou para  pensar.
Foi se lembrando de como a  sua vida de casa
tinha melhorado nos últimos  tempos.
A esposa já não pedia  dinheiro pra comprar 
coisas, nem para comprar  vestidos, joias e sapatos,
apesar de todos os dias  aparecer com um vestido
novo, uma joia nova ou uns bons sapatos da moda.
Os filhos mudaram da  escola pública do bairro
para uma escola particular muito  superchique.
Sem contar que a mulher trocou  de carro, apesar
de ele estar a quatro anos sem  aumento e ter 
cortado a mesada dela.
O supermercado, então, nem se  fala, eles nunca
tiveram tanta fartura quanto nos  últimos meses.
E as contas de luz, água, telefone, internet,
telemóvel e cartão de crédito, há muito tempo  
que ele nem a ouvia falar disso.
O  caso é que a Mariza era uma mulher 
ninfomaníaca, com uma figura "sex appeal" 
mesmo  com dois filhos o tempo não passava para 
ela, era  coisa de louca!...
Marcos guardou a  arma, com muito cuidado 
para não  ser percebido, e foi saindo devagar, 
para não  atrapalhar os dois.
Parou na porta da sala,  refletiu um pouco e disse
para consigos  mesmo:
- O cara paga a renda da casa, o  supermercado, a
 escola das crianças,  as contas da casa, o carro, o
 shopping, todas as despesas e eu ainda vou para 
cama com ela todos os dias...
E, fechando a porta  atrás decidiu o seguinte:
Eu conheço a mulher dele e vou contar-lhe tudo!
A fim de o fazer o também um grande corno.
E conseguiu os seus objetivos dois meses mais tarde.
Como era um casal com boas condições económicas
Ele consegui levá à certa a esposa do amante da 
 sua mulhere fez dela uma uma poliandra!
Perante um bom entendimento entre os dois em
 todos os sentidos.
Ela começou a dar-lhe  uma mesada. 
E chegou á seguinte conclusão:
O que é preciso é saber viver sem preocupações 
económicas  e ele agora também é corno e parvo!..



Uma Jovem com dificuldade de entrar no auto carro urbano

 Em Lisboas, uma bela jovem esperava o autocarro na devida paragem,
vestindo uma saia de couro justíssima. Quando o autocarro chegou a
sua vez  da moça entrar, ela percebeu que sua saia era apertada demais,
e que não conseguiria levantar a perna o suficiente para subir  para
primeiro degrau do autocarro. 
Ligeiramente envergonhada e com um sorriso tímido para o motorista,
 a moça colocou as mãos para trás e abriu um pouco o zíper da saia,
 pensando que isso lhe daria uma folga suficiente para levantar a perna.
Ela tentou novamente subir, mas percebeu que ainda não conseguiria.
 Então, um pouco mais envergonhada, ela novamente colocou as mãos
 para trás e abriu um pouco mais o zíper da saia. Pela segunda vez tentou
 o passo, mas ainda assim não conseguia levantar a perna. 
O mesmo aconteceu uma terceira vez, e as pessoas na fila começaram e
 ficar um tanto irritadas. Perante a impossibilidade de ela subir, o Laefar
 que estava atrás da moça  levantou-a facilmente pela cintura e a colocou
no degrau do autocarro.
A jovem ficou furiosa! Virou-se para ele e gritou: "Como você se atreve a
 tocar meu corpo?! Eu nem sei quem você é!"
Então, o Leafar sorriu e disse: " Muito bem, menina, normalmente eu
concordaria consigo, mas depois  de me abrir a braguilha das minhas
 calças por duas vezes, até pensei  já havia uma grande intimidade
entre nós!


Orgia ou bacanal entre vários casais



Em La, um carteiro fazia a distribuição do correio como de     
 costume. Numa
 dessas casas, viu que o proprietário estava a retirar o lixo, que
 continha dezenasisbo
de garrafas de cerveja, vinho, whisky e champanhe.
E perguntou a esse morador:
-A festa ontem foi boa, hein
O indivíduo ainda claramente de ressaca, responde:
-“Não foi ontem, nós fizemos uma festa tipo bacanal, no sábado
à noite, mas só agora recuperamos um pouco as energias para fazermos
a limpeza.
Nós recebemos uns 20 casais amigos e todos os convidados
ultrapassamos os
limites da decência, por termos bebido demais. Depois da meia-noite,
os homens,
sem avisarem as mulheres decidiram jogar ”O Quem Sou Eu!”.
O carteiro pensou um pouco e perguntou:
-Como se joga isso?
-Bom, todos os homens foram para uma sala tipo passarellee saíram,
de lá  um de cada vez cobertos com um lençol e mostrando apenas
“as joias da família (orquíos ou testiculos).
Algumas dessas mulheres as mais poliandras tentaramm adivinhar quem 
era ele só através dos orquios!.
O carteiro riu-se e disse:
- Parece-me que foi muito divertido, gostaria de lá estar também!
Você não esteve lá, mas falaram no seu nome pelos menos uma sete vezes!...


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Conversa entre um casal de gerontos

 Um casal de velhotes estava sentado à mesa e uma tasca.
 O marido um enófilo de sempre, depois de beber três copos

 de vinho, disse:
 - Amo-te tanto que não sei se conseguia viver sem ti...
 A mulher pergunta: 

- Isso que estás a dizer, já não  és tu a falar, é o vinho?
 - Sou eu mesmo, mas estou a falar para o vinho. Não +e
 para ti.

Investigação da ASAE

 Um agente da ASAE vai a uma propriedade e diz ao dono,  que é 
um velho agricultor:
 - Preciso inspecionar a sua propriedade. Há uma denúncia de
 plantação ilegal num dos seus terrenos.
 O agricultor diz:
 -"Ok, inspecione o que o senhor quiser, mas não vá àquele campo ali.
 E aponta para uma determinada área do terreno.
 O agente da ASAE diz indignado:
 - O senhor sabe que tenho o poder da autoridade comigo?" E tira do

 bolso um crachá mostrando ao agricultor:
 - "Este crachá dá-me a autoridade de ir onde quero.... e entrar em
 qualquer propriedade. Não preciso pedir ou responder a nenhuma 

pergunta.
 Está claro? Fiz-me entender?"
O agricultor, muito educado, pede desculpa e volta para o que estava
 a fazer.
 Poucos minutos depois, ouve uma gritaria e vê o agente de autoridade
 a correr para salvar e sua própria vida perseguido pelo cobridor, o maior
 touro da quinta.
 A cada passo o touro vai chegando mais perto do agente, que parece
 que será apanhado antes de conseguir alcançar um lugar seguro. 

O agente está apavorado.
 O agricultor larga as ferramentas, corre para a cerca e grita com
 todas as forças de seus pulmões:
 - "O Crachá, mostre-lhe o CRACHÁ!"

O pai auxilia nos trabalhos da escola

- Pai, preciso fazer um trabalho para a escola!
 Posso fazer-te uma pergunta?
 - Claro, meu filho, qual é a pergunta?
 - O que é a política, pai?
 - Bem, política envolve: Povo; Governo; Poder económico; 
Classe trabalhadora; futuro do país...
 - Não entendi nada. Podes-me  explicares melhor?
 - Bem, vou usar a nossa casa como exemplo:
 
Sou eu quem traz dinheiro para casa: então eu sou o poder
económico.
 A tua mãe administra, gasta o dinheiro, ela é o governo.
 Como nós cuidamos das tuas necessidades, tu e teu irmãozinho
sóis  o povo e o futuro do país a Zéca que é nossa criada,
representa classe trabalhadora.Entendeste, filho?
 - Mais ou menos, pai. Vou pensar.
 Naquela noite, acordado pelo choro do irmãozinho, o menino,
 foi ver o que  havia de errado. Descobriu que o irmãozinho
 tinha sujado a fralda e estava todo emporcalhado. Foi ao
 quarto dos pais e viu que a mãe estava num sono muito
 profundo. Foi ao quarto da criada e viu, através da fechadura,
 o pai na cama com a criada. Como os dois nem ouviram o
 menino a bater à porta, ele voltou para o quarto e adormeceu.
 Na manhã seguinte, à hora do café, o miúdo falou com o pai:
 - Pai, agora acho que entendi o que é a política.
 - Óptimo filho! Então explica-me com palavras tuas.
 - Bom, pai, acho que é assim: Enquanto o poder económico
 fornica a classe trabalhadora, o governo dorme profundamente...
 O povo é totalmente ignorado e o futuro do país fica na sanita!